• Para refletir sobre os aspectos simbólicos do Palácio da Liberdade, sua importância no contexto da construção da cidade e suas representações no passado e no presente.
  • Para apropriar-se da dimensão educativa desse bem cultural, dialogando com eixos temáticos disparadores, realizando percursos específicos no dia da visita ou sugerindo novos percursos para a visitação escolar. Os eixos temáticos propostos no “Encontro com Educadores” permitirão que estudantes e professores façam desse espaço um lugar de aprendizagens diversas e coletivas.
  • Para encantar-se por sua materialidade e imaterialidade: os detalhes ornamentais da arquitetura eclética; as marcas dos saberes de gerações que o construíram, decoraram, restauraram, cuidaram, e ainda cuidam, desse espaço no dia a dia; os painéis e detalhes decorativos realizados por Frederico Steckel e Antônio Parreiras; a técnica aprimorada do piso em parquet; a suntuosidade da escadaria em art-noveau, de origem belga; os móveis em estilo Luís XV e XVI; os remanescentes dos jardins originais – como o orquidário, o quiosque, o lago e o estatuário.
  • Para conhecer o edifício que serviu de espaço para importantes acontecimentos da história de Minas Gerais, além de sua estrutura, constituída por três pavimentos, que foi moradia de alguns governadores e suas famílias.